Sonetos – Poemas Filosóficos cover

Sonetos – Poemas Filosóficos

Luis Vaz de Camões

1. 015 – Lembranças saudosas, se cuidais
2. 019 – Tempo é já que minha confiança
3. 025 – Oh! como se me alonga, de ano em ano
4. 026 – Grão tempo há já que soube da Ventura
5. 031 – Pensamentos, que agora novamente
6. 033 – Se tomar minha pena em penitência
7. 035 – Que modo tão sutil da natureza
8. 044 – Ditoso seja aquele que somente
9. 046 – No mundo quis um tempo que se achasse
10. 048 – Quem quiser ver d’Amor ua excelência
11. 055 – Sempre a Razão vencida foi de Amor
12. 062 – Por sua Ninfa, Céfalo deixava
13. 082 – Doces lembranças da passada glória
14. 084 – Males, que contra mim vos conjurastes
15. 085 – Em prisões baixas fui um tempo atado
16. 088 – Que poderei do mundo já querer
17. 092 – Mudam se os tempos, mudam se as vontades
18. 097 – Com grandes esperanças já cantei
19. 107 – Que me quereis, perpétuas saudades?
20. 108 – Erros meus, má fortuna, amor ardente
21. 110 – Na desesperação já repousava
22. 111 – Eu vivia de lágrimas isento
23. 114 – Ah! Fortuna cruel! Ah! duros Fados!
24. 122 – Doce contentamento já passado
25. 126 – Fortuna em mim guardando seu direito
26. 128 – Memória de meu bem, cortado em flores
27. 130 – Num tão alto lugar, de tanto preço
28. 133 – O tempo acaba o ano, o mês e a hora
29. 138 – Quando a suprema dor muito me aperta
30. 140 – Que pode já fazer minha ventura
31. 155 – Esforço grande, igual ao pensamento

(*) Your listen progress will be continuously saved. Just bookmark and come back to this page and continue where you left off.

Summary

Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 10 de Junho de 1580) é frequentemente considerado como o maior poeta de língua portuguesa e dos maiores da Humanidade. O seu gênio é comparável ao de Virgílio, Dante, Cervantes ou Shakespeare. A obra lírica de Camões foi publicada como “Rimas”, não havendo acordo entre os diferentes editores quanto ao número de sonetos escritos pelo poeta e quanto à autoria de algumas das peças líricas. Alguns dos seus sonetos, como o conhecido “Amor é fogo que arde sem se ver”, pela ousada utilização dos paradoxos, prenunciam o Barroco. Nesta coleção, apresentamos uma recolha de Sonetos de Camões de tema filosófico. (Sumário adaptado da Wikipedia por Leni)